No Vale do Pajeú, do sertão pernambucano
Na comarca Vila Bela, mais de cento e tantos anos
Nasceu um mito da historio, o nosso chão brasileiro
Virgulino Lampião era o rei dos cangaceiros

À mando de fazendeiros, nas mãos dos policiais
Aos cinco anos de idade assassinaram seus pais
Fez a justiça no punho, a lei era o seu aço
Conhecido Lampião, o grande Rei do Cangaço

Cresceu com ódio no peito, não apago da lembrança
A triste cena da morte dos seus pais na sua infância
Dotado de valentia, jurou lhe fazer vingança
E aos vinte e poucos anos começaram as matanças

Clareou noite no tiro, manchou de sangue o Sertão
O povo todo temia a chegada do Lampião
Fez a justiça no punho, a lei era o seu aço
Conhecido Lampião, o grande Rei do Cangaço

Um guerreiro das catingas, bandido idolatrado
Muito bom estrategista, não era capturado
Perseguido e temido, espalhou medo e terror
Mas como tudo se acaba, o lampião se apagou

Lá na Gruta do Angico fez seu pouso derradeiro
No sertão alagoano morre o rei dos cangaceiros
Fez a justiça no punho, a lei era o seu aço
Conhecido Lampião, o grande Rei do Cangaço

Gênero da música

Esta música pertence a quais gêneros? Insira ou exclua abaixo aqueles que representam melhor esta versão. Você pode relacionar até 6 gêneros a uma música.

Veja mais João Carreiro & Capataz

Rádio do Artista

    Vamos afinar o Música?

    Estamos procurando a batida perfeita, ajude-nos a fazer o Música melhor pra você.

    Participe Agora não